Uma MAV q não me impede de viver!!!

LUCIANA KELE DORINI

AVENIDA IGUACU
MANGUEIRINHA
85540-000
4632431354
ludorini@hotmail.com

Notícias

E se você descobrisse que só tem mais seis meses de vida???  O que faria???   Pediria...
Você acredita que é possível ser feliz seguindo apenas 3 passos? Eu também duvidava, mas hoje...

E quando de repente PAI...

12/08/2017 14:57
De repente a notícia, a surpresa: a mais esperada, ou a menos imaginada... a mais feliz, ou a mais...

Capítulo 21

De volta ao Brasil, de volta em casa... hora de colocar os pés no chão e retomar a rotina...

Claro que trabalhar fica muito mais gostoso quando sua mente está cheia de boas lembranças...

Claro que cada conversa com os amigos fica mais animada quando se tem muitas histórias para contar...

Claro que tudo o que vivi na Europa jamais sairá da minha cabeça... claro também que  superar todos os meus medos e atravessar o oceano me gerou uma nova fonte de energia... agora eu sabia que poderia fazer tudo o que eu realmente quisesse, e que com hemangioma ou não, a minha vida seria do jeito que eu quisesse que fosse...

Num dia depois da nossa volta eu já estava trabalhando, e a Cris também.... 

Muito trabalho a fazer, muitas coisinhas acumuladas, mas tudo foi se resolvendo meio que automaticamente... 

A felicidade tem esse poder, o poder de tornar tudo mais fácil... :)

Àquela minha ansiedade desmedida... aquele meu pavor de sair de casa.... aquele meu horror a sair da rotina.... tudo ficou reduzido.... 

No final de semana seguinte da nossa volta, eu tinha um compromisso importantíssimo, formatura de uma colega/amiga, muito especial pra mim... e sabe que não me pesei em nada para ir à festa? Pelo contrário, fui sem medo e extremamente entusiasmada... 

Toda arrumada e me sentindo linda, exuberante... outra coisa que a felicidade faz com a gente... nos deixa iluminada e a luz nos faz as mais belas criaturas... Pelo menos é o que eu acho... hahahaha

Tudo foi lindo e muito emocionante... são poucos acontecimentos na vida que me emocionam tanto como formaturas... formatura pra mim é o brinde há muitos anos de esforço e dedicação e mais que isso, é um brinde às novas portas que se abrem em tantas vidas... 

Fazia muitíssimo tempo que não ficava até um final de festa... eu havia me programado para voltar cedo, mas não resisti... mesmo bebendo só água, eu estava elétrica... nem o frio absurdo de Palmas me desanimou... dançamos, cantamos, nos divertimos muito e chegamos em casa com o dia amanhecendo... Adoreeeeiiiiii....  

Minha "bateria" estava tão bem carregada, que me parecia desnecessário descansar.... o que eu queria mesmo era continuar naquele ritmo maravilhoso...

Mais uma semana de trabalho e tínhamos a festa de um tio querido em Curitiba... Descansar pra que mesmo??? hahahaha

Lá vamos nós... E que festa incrível... como é bom ver um Senhor completando seus 90 anos com plena forma física e mental... mais que isso, com toda vitalidade e alegria que poucos rapazes de 20 têm... Família toda reunida... conheci primos que eu nem sabia que existiam... Revi inúmeras pessoas especiais... Andei de trenzinho e de chalana, voltei a ser criança... melhor, voltamos todos a ser crianças num final de semana encantador...

E aos poucos a vida foi voltando ao normal... trabalho, amigos, reuniões, festinhas... 

Ainda no embalo de voltar a ser criança... porque no decorrer dos anos a gente aprende que para ser feliz não se pode deixar morrer a criança que vive dentro de si... fomos em excursão para o Beto Carrero, e levei meus pais é claro... Mesmo sem ir naqueles brinquedos de uma adrenalina estontiante, porque preciso de alguns cuidados, senti toda a energia que aquele parque produz... a alegria das crianças e dos adolescentes... o êxtase dos jovens e dos adultos com a grandiosidade e a magia de tudo aquilo.... Como é bom ver gente feliz.... e como é bom deixar essa felicidade também fazer parte da gente... 

Não viajamos tanto só para ir ao Beto Carrero, queríamos de verdade era visitar meus tios e primos que moram em Balneário Camboriú e que nunca havíamos visitado... mais uma vez eu posso afirmar, família é tudo de bom... como foi bom reencontrá-los e compartilhar tanto carinho e amor... além é claro de passear, brincar e apreciar as belezas da natureza sem medo...  

Seria hipocrisia minha dizer que não tive medo em nenhum momento... que não senti insegurança em tantas ocasiões alheias ao meu dia a dia... mas fico orgulhosa em saber que tive medo, mas que a coragem foi maior... hahaha

O tempo foi passando... de volta às aulas em Pato Branco... novos alunos, novas histórias, novo desafio, nova e importante quebra de rotina... E agora eu já não tinha toda àquela energia acumulada dos bons momentos, então essa mudança me fragilizou um pouco, sem contar no fato de que eu sentia a aproximação da 4a. embolização...

Mas mesmo um pouco sensível, eu já havia marcado uma nova viagem, para aproveitar um feriadão de 1º de maio... dessa vez fomos, meus pais e eu, visitar meus padrinhos e seus filhos e netos em Cuiabá...

Viajar é bom, mas vicia... hahaha

Novamente, não tenho como dizer que não senti medo... mas valeu a pena, foi bom demais estar com pessoas tão queridas e há tanto tempo distantes.... Passamos dias inesquecíveis ao lado deles, até festa surpresa para o aniversário do meu pai eles organizaram... apesar do calor que não estávamos acostumados, foi tudo perfeito... Amei...

Logo que voltamos minha nova embolização foi marcada... adiantei então as minhas aulas para vencer o conteúdo programado... pois não queria abandonar meus alunos de novo... e muito menos deixar esse compromisso para os meus amigos...

Nossa, quanta angústia desde o dia que marcaram a embolização... o meu estado emocional ficou abaladíssimo... A expectativa por uma cirurgia corroi os nervos de qualquer um...  

Faltando dois dias para a cirurgia eu já estava com tudo pronto, trabalho adiantado, vida organizada quando o meu telefone tocou... Era do hospital, estavam adiando o procedimento... :)  :(

Que misto de sentimentos... na hora senti um alívio tão grande... mas depois me bateu um desespero... 

Do que adiantou tantos dias sofrendo por um fato que não iria mais acontecer, pelo meno não na data marcada... 

Lembro que falei pra Val, querida secretária do Dr. Márcio, quando houver nova data, me avisa só dois dias antes, para eu ter tempo de me organizar.... Eu não queria passar por toda aquela angústia, por toda àquela espera que tanto me maltratava...

Assim passei mais alguns dias, tentando me tranquilizar, tentando me fortalecer porque sabia que mais dia, menos dia, o telefone novamente iria tocar... e tocou muito antes que eu esperava... eu estava fazendo minhas unhas, preparando tudo para o meu aniversário que aconteceria no domingo, quando me avisaram que o próximo procedimento seria na terça e que precisava internar na segunda...  Com todo jeitinho os convenci de internar na terça logo cedo...

Acho que o momento foi propício...como eu estava tão envolvida com meu aniversário... e com a confecção dos quitutes, não tive muito tempo para parar e pensar na cirurgia... 

Eu amo fazer aniversário... tem gente que não gosta, mas pra mim é a data mais importante do ano, então comemoro mesmo, e muitas vezes... hahaha

Mas esse ano tudo estava muito diferente... tudo estava muito atribulado... 

Mais uma vez eu tinha uma amiga sofrendo por um término de relacionamento, e a dor dela era minha também... 

Como é difícil ver as pessoas que a gente ama sofrer assim... e mais difícil ainda é saber que não se pode fazer nada... pior ainda, na situação que eu estava, sabia que depois da cirurgia eu iria precisar mais de ajuda, do que poder ajudar... affffffffff... 

O meu aniversário passou, todas as festas foram ótimas... ninguém faltou, mas isso me dava um ar de despedida... 

Talvez não fosse isso que minhas amigas, amigos, familiares pensavam.... mas eu não conseguia pensar diferente... 

No domingo, dia do meu aniversário mesmo, fui à missa como de costume, e a celebração era por conta do grupo de liturgia que participo... li, cantei... eu amo cantar... e no final nossa comentarista me fez uma enorme surpresa, pedindo que o padre desse uma benção especial pra mim pedindo pela minha saúde, e ainda que todos cantassem os parabéns pelo meu aniversário... 

Haja coração.... hahahaha

Em estado normal eu já ficarai emocionadíssima, imagina num dia como aquele... meu coração quase saiu pela boca, meus olhos não conseguiram conter as lágrimas... mas senti uma energia muito boa fazendo parte de mim...

Enfim que as comemorações do meu aniversário foram lindas, mas o meu pensamento estava um pouco distante... 

Na segunda logo cedo partimos para Curitiba, meu irmão, meus pais e eu... Como a viagem fica longa quando sabemos que o que nos espera não são só flores... 

Jantamos super tarde, pois eu só poderia comer até à meia-noite, e ainda não sabia que horário seria minha cirurgia no outro dia então precisava guardar o máximo de "calorias" possíveis para ir gastando durante o tempo de espera... 

Dessa vez fui direto para o Centro de Hemodinâmica... como eu queria ir pra lá rindo, feliz por estar dando um passo a mais na minha recuperação... mas só conseguia pensar em todas as dificuldades a serem enfrentadas... nos riscos da anestesia e da embolização...  Nesta vez eu nem pensei muito em UTI, pois nas duas últimas cirurgias fui direto para o quarto, então esse era um problema a menos para se pensar... Também estava muito mais tranquila porque meu irmão também estava lá e ficaria todo o tempo conosco.... saber que ele estava ali do lado me dava mais segurança... saber que ele estava cuidando dos meus pais me deixava mais leve...

Como sempre,  fui recepcionada pelas meninas da enfermagem que são uns amores e depois levada para àquela sala fria, fria mesmo em todos os sentidos, e aí colocada naquela maca "odiosa" onde me deixaram presa... preciso fazer um parêntese aqui... Gente, eu não consigo entender por que não deixam para nos prender, depois da anestesia??? Seria um trauma a menos para tratar... Não é nada fácil aliar a todos os sentimentos de angústia, insegurança, pavor, ainda a sensação de estar apertada, amarrada, presa... não sei qual expressão melhor identifica aquela condição...

Mais uma vez quando vi o Dr. Márcio meu coração se acalmou um pouquinho, afinal é a ele que eu confio a minha vida em cada um desses procedimentos... 

Não lembro ao certo quantas horas levou todo o procedimento, mas sei que quando saí a surpresa não foi boa não... 

Acordei na UTI, com uma mocinha me "desentubando"... garanto pra vocês, a sensação não é nada divertida... e nenhum pouco divertido também é tomar consciência que está mais uma vez na UTI, mais uma vez sozinha, e para piorar dessa vez usando fraldas... é, fraldinhas como os bebês... :(

Para quem nunca passou por isso, é impossível entender quanto humilhada eu me senti, e ainda mais quando soube que designaram um enfermeirooooo "homem" para cuidar de mim... eu sei que para eles trocarem a minha fralda, a de um bebê, de uma menina linda de 15 anos, ou de um senhor de 80 é a mesma coisa... pra eles é a mesma coisa, pra mim não é...pra mim não foi...

Claro que estando lúcida, e de posse de todas as minhas faculdades físicas e psíquicas eu não deixaria um homem me tocar assim, e então com todo o jeitinho do mundo disse que eu mesma poderia cuidar de mim em tudo que se referisse à minha intimidade... meu enfermeiro entendeu o meu constrangimento e então concordou comigo...

Meus pais vieram me visitar e lógico que eu não estava feliz, mas eles precisavam acreditar que sim... e Deus nos dá força até pra isso, até pra fingir um pouquinho quando é necessário... :)

Mesmo da UTI, consegui ligar para o meu padrinho que estava de aniversário....eu precisava felicita-lo e ao mesmo tempo tranquiliza-los quanto ao meu procedimento...

Os minutos de visita passam muito rápido naquele lugar... rápido mesmo, e logo eles precisaram sair... Eu sabia que tinha mais umas 20 horas de castigo, então precisava fazer alguma coisa... chorar, gritar, xingar, espernear só pioraria minha situação, e nada disso combinaria comigo também... apesar que sou bem chorona, mas lá eu não poderia dar sinais de fraqueza não...

Acabei conversando com todo mundo que estava ali... enfermeiras, médicos, estagiários, pesquisadores... todo mundo que conseguia falar... hahaha

Bem melhor conversar que chorar...

Rezei muito e fui atendida, pedi muito,muito,muito para eu me manter calma e equilibrada, e para aquelas horas passarem rápido... à noite houve troca de plantões, e um outro médico ficou responsável pela unidade... pouco tempo após sua chegada eu ouvi ele conversando com a equipe de enfermagem sobre uma viagem que havia feito... para minha sorte eu conhecia os lugares e entrei no assunto... não sei se eles queriam falar comigo, mas eu queria falar com alguém...

Acho que conversamos por horas, porque depois de comentarmos todos os detalhes da Churrascaria Garfo e Bombacha na Serra Gaúcha, começamos a conversar sobre a vida... sobre a minha vida... ele não conseguia acreditar que eu levava uma vida normal... ele chamou o pessoal da equipe para ouvir as minhas histórias... acredita que todos ficaram abismados quando contei que jogava vôlei??? hahaha....

Algumas horas passaram muito rapidamente, mas ainda tinha uma madrugada inteira pela frente... por tanto pedir a Deus, ele me concedeu uma noite bem tranquila... dormia uma hora e acordava, mais uma e acordava... e assim chegou às 7h... uffffaaaaaaaaaaaaaaa....

Amanheceu... e o nosso combinado é que ficaria até amanhecer...

Nesse turno eu já tinha outro enfermeiro... outro homem, este um anjo... um amor de pessoa com um coração maior que o próprio peito...

Depois que o médico verificou meu curativo e me liberou para o banho, ganhei outro presente, uma vez que podia levantar, não precisava mais das fraldinhas... voltei à ser gente grande... hahaha

Banho tomado, café da manhã também e eu estava prontíssima para ir para o quarto... minha tranquilidade acabou, porque a partir daquele momento minha expectativa era sair dali o mais rápido possível... mas olha só que maravilha... não tinha um quarto pra mim...

Aí começou uma nova tortura... aquilo para mim era uma prisão... e eu continuava presa após já ter pago a minha pena... isso doi demais... isso dilacera qualquer coração....

Recebi meus pais e o meu irmão pela manhã, eles já estavam nervosos também... eles também me queriam perto, como eu  precisava estar com eles...

Passou a manhã toda e o meu enfermeiro andava comigo, conversava, mas o relógio não andava...

Eu levantava, sentava, deitava... e nada acontecia...

Hellloooo... gente eu estava na UTI, tirando o lugar de alguém que realmente precisava estar lá e acabando com o meu sistema nervoso... acho que se me deixassem sentada no corredor eu ficaria muito melhor...

Imagina só, se já nos sentimos irritados, agoniados com um atraso do voo... imagina com um atraso de 9 horas para sua saída daquela unidade... Eu estava de alta desde às 7h da manhã e fui levada para o quarto às 16h...

Cheguei no quarto num misto de alegria e revolta que ninguém acredita... mas enfim estava no meu quarto, com meus pais e meu irmão... pude tomar um bom banho com ajuda da minha mãe e suporte do meu pai, e depois tomar uma sopa que o meu irmão fez pra mim... Eu estava com vontade de tomar coca... e quando o Dr. Márcio estava chegando para me visitar meu irmão estava saindo, aí falou pra ele: “Ela quer, eu vou comprar.. hahahaha”... Foi a melhor coca-cola da minha vida... hummmmm....

Dr. Márcio me explicou que precisei ficar na UTI porque inchei demais durante o procedimento e a anestesista teve medo de desentubar e eu não conseguir respirar sozinha... Eu entendo que era um procedimento de segurança, só não entendo o porquê ter que ficar mais de 24h lá se me desentubaram depois de meia hora... ???

Nunca vou entender... mas também não queria mais pensar naquilo... passado, passou...

Bem, passei àquela noite no quarto e no outro dia logo cedo tive alta...

Até que enfim chegou a hora de voltar pra casa...

Até que enfim mais uma etapa da minha batalha estava terminando... e agora só queria pensar em recuperação... :)