Uma MAV q não me impede de viver!!!

LUCIANA KELE DORINI

AVENIDA IGUACU
MANGUEIRINHA
85540-000
4632431354
ludorini@hotmail.com

Notícias

E se você descobrisse que só tem mais seis meses de vida???  O que faria???   Pediria...
Você acredita que é possível ser feliz seguindo apenas 3 passos? Eu também duvidava, mas hoje...

E quando de repente PAI...

12/08/2017 14:57
De repente a notícia, a surpresa: a mais esperada, ou a menos imaginada... a mais feliz, ou a mais...

Capítulo 6

E no dia de voltar à Curitiba, a ansiedade tomou conta... Mesmo assim foi um dia, totalmente, especial... Recém formada em Ciências Contábeis, para exercer a minha profissão eu precisava fazer o Exame de Suficiência (um Exame da Ordem para os Contadores)... E não só fazer, fazer e passar.. haha 
Quis o destino que o exame fosse no domingo que antecedia os procedimentos cirúrgicos que me esperavam... então indo para Curitiba - meu pai, minha mãe e eu, paramos em Guarapuava para eu fazer a prova. Acho que nem preciso comentar que não havia tido nenhuma condição emocional para estudar naqueles dois últimos meses, mas como disse o meu pai, "já estamos aqui, não custa nada tentar"... É bem difícil você fazer uma coisa pensando em outra, mas fiz... fiz tudo o que pude... 
Terminei a prova e seguimos viagem para o Hospital Nossa Senhora das Graças... Além da paradinha estratégica em Guarapuava, não consigo lembrar de mais nenhum detalhe desse dia... 
 
Na segunda-feira, como era o previsto, passei por um cateterismo para embolizar a malformação e assim diminuir a vascularização para que então a cirurgia pudesse ser realizada com segurança. O procedimento de embolização no meu caso é realizado por um catéter inserido através da artéria na virilha, que vai andando, andando, andando até chegar ao meu rosto...  Chegando lá, os médicos encontram os vasinhos extras (os vasos sanguíneos excedentes que constituem a malformação), e colocam um agente embolizante em cada um deles para diminuir a circulação no local... 
Detalhe, esse era o procedimento que há alguns anos os médicos haviam me falado que poderia ser fatal - Ai, ai, ai... a gente sempre esquece de tantas coisas, não sei porque nunca consegui esquecer essas palavras - Foi difícil demais encarar essa embolização,mil coisas passavam pela minha cabeça, e a principal era que só queria sair viva dali... 
Nesta segunda-feira foi a primeira vez que provei dessa sensação, somente com anestesia local para a punção na virilha, pude sentir todo o medo, toda a angústia e também toda a dor... Como doi quando aquele produtinho faz contato com o sangue, minha cabeça parecia explodir... e quando falo em explodir é explodir mesmo, não é aquele "minha cabeça está explodindo" que a gente fala em cada crise de enxaqueca, não... A dor é intensa demais, por algumas vezes pensei que iria desmaiar, mas não caio fácil, aguentei firme até o final... haha 
Ufffaaaaaa, depois de uma hora e meia, mais ou menos,o procedimento acabou e fui direto para o quarto... Também foi a primeira vez que senti o quanto é bom voltar "vivinha, vivinha" para o quarto e poder rever as pessoas que a gente tanto ama... 
 
Bem, o primeiro passo dado, agora era aguardar pela cirurgia na terça-feira... 
Outro dia que não tenho recordação de detalhe algum, não sei se comi, se consegui dormir... só sei que fui para o centro cirúrgico chorando... foi um momento repleto de incertezas que me deixou, totalmente, fragilizada... Mas depois foi fácil, uma anestesia geral e pronto, que poder tem aquelas gotinhas... não vi mais nada, e quando acordei já estava mais uma vez no quarto, rodeada da minha família e com uma excelente notícia vinda do meu amigo, Dr. Lauro: "a cirurgia foi um sucesso"... 
 
Minha estadia no hospital foi super breve e cheia de surpresas... Gratas surpresas... 
Logo que voltei pra casa, fui chamada para retornar à minha cidade.. Emprego novo, família unida, cirurgia realizada com êxito, muitos amigos.. cheia de carinho... as coisas estavam voltando ao normal... 
Depois de 15 dias da cirurgia, eu já estava "bailando"... minha recuperação foi, extremamente, rápida e eu não queria perder tempo... Lembro que fui questionada por já estar saindo, fazendo festa, trabalhando e respondi que meu médico recomendou "vida normal"... Então uma amiga, muito preocupada me disse: "mas Lu, seu médico sabe como é sua "vida normal" ??? hahahahaha
Com 21 aninhos e uma saúde impecável, o normal pra mim era aproveitar tudo que a vida quisesse me dar... Trabalhos, família, amigos, viagens, festas, paixões... tudo, tudo, tudo.. e eu aproveitei muito bem.. haha
 
Ah, já estava esquecendo... O resultado daquela prova demorou mas saiu... Passei no exame de suficiência!!! Uhulllll... 
E a história continua, só que agora vai ser a história de uma "contadora" plenamente, habilitada.. haha 
Vem comigo... ;)
 
 

CAPÍTULO 7

Eu já trabalhava há muitos anos com contabilidade, mas agora era contadora de verdade... nessa época estava dedicada, totalmente, à contabilidade pública... Dando os primeiros passos no universo da Administração Pública e conhecendo dia-a-dia um pouco mais desse mundo um pouco obscuro para todos...
Paralelo ao trabalho, eu continuava uma especialização que havia começado enquanto graduanda, trabalhar e estudar ao mesmo tempo não era nenhuma novidade pra mim que fiz isso sempre... Permanecia motivada a viver todas as oportunidades que surgissem no meu caminho... Focada em viver...
Nessa fase tínhamos um grupo de amigos, ou colegas de festas, prontos para aproveitar todos os momentos com muito entusiasmo e alegria...Não importava se fazia sol ou fazia chuva... Não importava se tínhamos um lugar legal pra ir... amigos reunidos era sinônimo de muita leveza e diversão... 
Eu ainda contava com os colegas de pós, alguns velhos amigos e companheiros de todos os anos de faculdade, outros novos amigos ingressando em minha história... nossa como foi bom contar com vocês em todas as horas... Nos almoços de sábado com uma bela feijoada e àquela caipirinha... Dividindo quarto de pensão ou hotel nas longas e frias noites em Palmas/PR... Socorrendo-me quando eu não conseguia frequentar todas as aulas... Cantando, bebendo um pouquinho e dançando muito nas madrugadas de sexta, para comemorar alguma nota 10 hahahahahaha... 

Delícia de vida de estudante... 

Posso dizer então, que apesar do susto e da cirurgia minha rotina não foi alterada, não diminuí o ritmo de trabalho, não desisti dos meus objetivos, não me vitimei por nada... Continuava viajando, adorava dirigir, adorava pegar estrada sozinha ao som de um rock anos 80 e sonhar por cada km rodado, sem medo e sem preguiça...
 
Que época maravilhosa... quantas experências... quantas emoções... 

Ah, e o coração sempre pulsando a mil... quando você conhece pessoas, quando você se descobre mulher, quando você se abre pra vida... tudo flui, tudo flui com tanta naturalidade que até os maus momentos são incríveis...

Foi aí que entre um rolinho e outro conheci um cara diferente, que não pertencia à nossa turminha, mas que me chamou atenção... Tímido, sério e muito carinhoso... Rendeu um namoro breve mas que de uma forma bem particular mudou para sempre a minha vida amorosa...  

Mas o tempo passa e muda tudo... o namoro acabou, a turma de festa se dividiu, algumas amigas muito especiais agora estavam namorando... Quando me dei conta, estava refugiada na internet afogando às mágoas de uma paixão mal resolvida... não à toa amo a internet até hoje... Hahaha 

O problema que quando o coração está partido ele precisa se refazer, e a gente sempre acha que nada melhor para curar um amor do que outro... bobagem, bobagem, bobagem... 

Enfim que a internet me ajudou a passar aquele momento de tristeza... num chat de bate papo regional, fiz vários amigos virtuais e conheci um cara muito educado, inteligente, responsável e que ainda conhecia todas as regras de acentuação... Gente isso é imprescindível para um rolo virtual, onde a comunicação era, totalmente, através da escrita... Porque vamos falar a verdade, não tem como levar a diante uma paixão que assassina, diariamente, o português... O pobre português que não tem nada a ver com a história... Hahahaha 
 
Bom, alguns amigos saíram da rede e entraram na minha vida real... uma dessas amigas mora até hoje no meu coração apesar de ter residência fixa em Genebra... Vou ser sempre grata à internet por isso...  E aquele cara da net, continuou na net, mas ocupou um lugar muito, muito, muito especial em minha vida... Porque sentimento, não requer um contato real, requer só confiança, dedicação e cuidado...

Ah, mais uma vez estava juntando as pecinhas do coração... E no trabalho uma novidade... Estava iniciando minha vida como docente... Agora eu também já era professora de Contabilidade na Faculdade de Administração da minha cidade... E olha, uma novidade que preencheu as lacunas da minha vida profissional... 

Tudo estava perfeitamente equilibrado, quando num fim de tarde tive um dos maiores sustos da minha vida... Estava tomando banho, fechei os olhos para enxaguar os cabelos e quando os abri vi todo o meu banheiro branquinho, tomado pelo vermelho... A pele da malformação havia se rompido e jorrava sangue por todos os lados... lembro que gritei desesperada para minha mãe a qual sempre me socorreu como um anjo, e desta vez ainda mais... Em pouco tempo e com a ajuda de familiares, alguns amigos e do meu ex-noivo, eu fui atendida por um médico local e já estava a caminho de Curitiba com meu irmão, minha mãe e meu pai, sem saber o que me esperava por lá... Tive muito medo de morrer, lembro, nitidamente,  de pedir à uma amiga para cuidar dos meus pais pra mim, pq não poderia pedir isso ao meu irmão que estava tão abalado quanto eles nesse momento... nossa como me senti impotente diante da trágica mudança que havia ocorrido naquele dia... Estava tudo tão bem planejado e agora não sabia mais se viveria para ver o próximo nascer do sol...  Vivi, vivi, vivi... E vc vai saber tudo que aconteceu em Curitiba, pois a história continua... ;)