Uma MAV q não me impede de viver!!!

LUCIANA KELE DORINI

AVENIDA IGUACU
MANGUEIRINHA
85540-000
4632431354
ludorini@hotmail.com

Notícias

Dia 18 de maio, Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e...
Pense num domingo de sol, céu azul e uma linda bebê, de mais ou menos um ano e meio, com um pequeno...
Nossa quanta ansiedade para a virada do ano... Quanta ansiedade para deixarmos no passado o 2017 e...

Chega de preconceito... eu quero um mundo cheio de amor...

14/02/2018 14:39

Pense num domingo de sol, céu azul e uma linda bebê, de mais ou menos um ano e meio, com um pequeno hemangioma no lábio, brincando numa piscina rodeada de gente... ela se diverte, brinca, sorri, até que chega um amiguinho de uns 10 anos, perfeito, saudável, e também muito lindo,  e pergunta para a mãe da bebê:  “O que ela tem”? e a mãe responde:   “É um dodói”...  o amiguinho retruca: “Ela parece um monstro” e enche sua boca de água e joga na bebê...

Dá pra imaginar uma cena dessas??? Parece cena de filme de terror, mas não é...

Essa cena aconteceu... e só em pensar o meu coração dispara... o meu coração se enche de dor... dor pela pequena bebê que foi maltratada  mesmo sem saber porquê... Dor pela mãe que teve seu coração dilacerado... e uma dor maior ainda pelo preconceito gritante de uma criança com uma vida inteira pela frente...

A bebê meiga e doce, com aquele pequenino hemangioma, certamente, se deparará com muitos olhares curiosos, muitas perguntas indiscretas, talvez algumas até maldosas, mas nunca deixará de ser linda... 

A mãe vai sofrer com cada olhar, mas vai se fortalecer com eles e a cada dia lutará com mais garra pela felicidade da sua bebê...  

Mas,  e  aquele menino... o  que cuspiu na bebê???

Alguns podem me dizer que criança é curiosa mesmo... que olha, que pergunta... que é indiscreta... que a atitude dele foi normal... mas eu digo que não... que essa atitude não foi normal... nada normal e nenhum pouco  aceitável...

Sim... eu sei que as crianças são curiosas,  mas há muita diferença entre curiosidade e maldade... eu sei que existem crianças e adultos indiscretos, mas há grande diferença entre indiscrição e desrespeito... Eu sei que criança é criança... mas há muita diferença entre ser criança e ser cruel...

Destrói meu coração pensar que esses adultos que já vimos por aí ateando fogo em indígenas; espancando homossexuais;  sendo racistas; humilhando cadeirantes... batendo em moradores de rua,  possam ter sido crianças que não tiveram a oportunidade de conhecer e respeitar as diferenças... possam ter crescido sem a oportunidade de conhecer o amor ao próximo... e não é isso que queremos que continue acontecendo...

Eu acho que já passou da hora de colocarmos um basta nisso...

Já passou da hora de ensinarmos as nossas crianças, desde muito pequenas, a respeitar as diferenças... as crianças dentro da sua inocência são capazes de entender que cada um é um, e que todos merecem respeito... que cada um tem seu jeito... sua cor...seu cabelo.. sua altura... seu peso... e que respeitadas as nossas diferenças todos somos seres humanos iguais...com os mesmos direitos e as mesmas obrigações...

Não há como pedirmos um mundo melhor se não ensinarmos a igualdade para os nossos pequenos,  em casa, nas igrejas, nas escolas...  na sociedade...

Eu não tenho filhos, mas tenho certeza que nenhum pai gostaria de passar o que a mãe da nossa bebê linda passou... eu não tenho filhos, mas tenho certeza que nenhuma mãe gostaria que seu filho fizesse o que fez o nosso amiguinho de 10 anos...  então eu faço um apelo... papai, mamãe, vovó, vovô, titio,titia... que tal ensinarmos nossas crianças a olhar para todos com amor... a tratar a todos com carinho... a respeitar a cada um...

Que tal se mostrarmos para as nossas crianças como todas as pessoas são diferentes, mas como todas elas são iguais... como todas elas têm sentimentos...  como todas elas merecem o nosso sorriso...

Que tal???

Que tal acamparmos uma campanha por um mundo cheio de igualdade... cheio de alegria... cheio de amor ao próximo??? Cada um fazendo sua parte, dentro da sua própria casa...

Que tal???

Que tal olharmos para as nossas crianças como os adultos que queremos para o futuro??? Cada um fazendo um pouquinho dentro da sua comunidade...

Que tal???

Eu conto com você... por um mundo com menos preconceito e cheio de amor...